1 de ago de 2013

UM PAPO-CABEÇA SOBRE AMOR DE SEGUNDA


De tantos encontros clichês que a vida causa eu sempre fiquei na expectativa de encontrar o cara ideal numa cena dessas que a gente mentaliza toda vez que ver alguém bonitinho - afinal a gente sempre se apaixona por uns minutos no ônibus, metrô, na faixa de pedestres... A questão é que expectativa acaba com tudo e dificilmente as cenas de cinemas farão parte da nossa realidade. Mesmo com todo esse blá-blá-blá de que esperar demais faz mal, todos os dias eu acordava com uma espécie de trevo de quatro folhas dentro de mim onde dizia, é hoje. No final do dia eu percebia que não tinha sido. Expectativa frustrada mais uma vez!
Com o passar do tempo que fui entendendo que não existe esse lance de amor a primeira vista, pode acontecer no máximo uma conexão boa de primeira, amor não! E eu aprendi isso de uma forma bem linda. Aprendi quando comecei a gostar daquele mal humor que ele tinha de manhã cedinho, quando não espirrava mais com seu perfume e nem achava feio aquela mania de fazer caretas pra fotos. Afinal todo mundo tem um lado retardado quando se está com os amigos. Me apaixonei de segunda, de terceira e me apaixono até hoje. Vou gostando mais um pouquinho a cada descoberta da rotina dele, que não combina em nada com a minha, mas que se encaixa. O amor foi nascendo na medida que eu dava espaço pra que ele fosse ele mesmo, sem ilusionar as coisas, porque ninguém nunca vai ser o que a gente quer. Tentar mudar as pessoas pra poder se apaixonar é egoismo e suicídio demais. A gente morre e mata um pouquinho a cada cobrança.
Quando o amor só acontece à segunda vista ele tende a ser mais sensato e se pensar em acabar ele também vai pensar duas vezes, afinal ele foi de segunda né? É como um carro engatado na marcha dois, ele sempre vai dá um pulinho mais na frente, como um engasgo mesmo. E só quem sabe fazer isso são os experientes. É verdade que quem consegue se apaixonar de segunda com certeza já se apaixonou de primeira várias vezes, quebrou a cara e talvez já até estancou. Parou no meio do caminho e começou de novo. É simples! Quando aprende a deixar as expectativas de lado aí aprende a ser de segunda.
A parte mais incrível de se apaixonar por quem a gente já conhece é que todos os defeitos já estão ali, escancarados e mesmo assim eles não fazem tanta diferença, por que o amor vem na frente da paixonite, e isso torna tudo mais bonito. O coração se alegra a cada gargalhada desenfreada que você para, olha e pensa ''que é isso?'', quando vê a gente tá rindo da mesma forma. Nos acostumamos com a meia rasgada, cheirinho da pele natural, sorriso com aquela abertura no meio dos dentes já tão conhecida, e claro aquela camisa de sempre que já deixou de me fazer raiva. O jeito de cada pessoa é único e quando dois jeitos se encontram e se encaixam sem agredir nenhuma das duas partes, pode crer que é amor.

A dica de hoje é olhar um pouquinho mais pro lado, deixar o tal trevo de quatro folhas e encontrar o que faz você feliz. Mas não fique numa procura incessante, se permita apaixonar-se, talvez por algo até que você já criticou, por que mudar de opinião pode. É até uma forma de reconhecimento, só não vale é sair do contexto e mudar seu próprio jeito de ser.

Boa sorte, pra nós, porque eu também vou tentar!

Nenhum comentário:

Postar um comentário