1 de abr de 2013

CIÚMES DO MEU CARA INCRÍVEL

Tô aqui repetindo pra mim mesma de frente ao espelho que não tô sentindo ciúmes, mas isso fica muito mais difícil quando eu vejo o cara mais incrível que já vi sorrindo com outra garota. Eu amava aquele teu papo de terminar o curso de inglês e sair pelo mundo à fora, mesmo sabendo que nas entre linhas você tava querendo dizer que nós não tínhamos nenhum futuro certo, gostava do nosso jeito de lidar com nós mesmos, e tô detestando ver você fazendo os nossos passeios, batendo as nossas fotos e visitando as nossas salas de cinema com outra pessoa.
Eu até já tava acostumada com a sua ausência, bem lá no fundo eu meio que sabia que nenhuma outra pessoa ocuparia meu lugar, não por você não ser um cara incrivelmente legal, até roubou elogios da metade daquelas meninas que visitaram o meu perfil quando você postou aquela nossa foto, mas vamos combinar que o casulo que você mesmo se impõe é forte o bastante pra não deixar ninguém ficar perto. Ainda nem sei direito como foi que chegamos a ter um ''relacionamento'', é como se você escolhesse a garota que quer, mas se for não importa, você faz isso de uma forma tão gentil que não fere. Diferente de todos esses imbecis que estão online na minha imbox nesse momento você não puxava aquele papo inútil do tipo ''E as novidades?'', você simplesmente ligava numa noite despretensiosa e me fazia mais importante que qualquer declaração de falso-amor no facebook. Isso te fazia especial e hoje por não ter mais nada disso, nesse momento tá me causando raiva, muita raiva.
Vou parar por aqui por que já tô falando de você, e na verdade eu comecei mais um desses textos pra falar da cintura que você abraça nesse momento, pra falar da dupla na qual você tá dividindo suas manias que aposto que ninguém conhece tão bem quanto eu, ou talvez ela até conheça, não sei. Pra falar a verdade eu a achei bem parecida comigo, mas não pegue essa parte como se você guardasse um amor ressentido por mim e tivesse esbarrado na primeira branquela do cabelo liso e se apaixonado como aconteceu com nós dois, eu sei que não foi assim. A raiva maior é que eu sei. Eu sei que você tá gostando dela, tá gostando do sorriso, do carinho e das leves bofetadas de ciúmes que ela te dá. O mais chato é que não posso te culpar por ser um cafajeste, me juntar com minhas amigas e ficar escolhendo apelidos pra ela nem muito menos te mandar um sms com aquelas indiretinhas clichês, você simplesmente encontrou alguém, ou alguém te encontrou, também não sei. Eu só sei que não tô conseguindo conter minha raiva de não ter escolhido está aí ao seu lado e tô sofrendo por isso, mas tenho que falar com você como se fosse uma amiga madura desejando boa sorte.
Acho que você poderia me poupar dessa parte de política da boa vizinhança, mas não, você é tão perfeito que me ensinou a dá sempre aquele sorriso de ''tá tudo bem, não se preocupa''.



3 comentários: