5 de nov de 2012

DE PASSAGEM

Eu preciso escrever sobre você aqui, eu sei que foi rápido, foi sem deixar muitas marcas, só algumas lembranças vagas de um momento repentino, mas de alguma forma foi real e intenso. Eu sei que nunca existiu o termo nós, e certamente não existirá nunca, mas vamos assumir que enquanto o ''nós'' existiu naquelas mínimas três horas foi interessante, melhor que isso, foi mágico. 

Você nunca tinha passado pela minha cabeça além de uns 30 segundos em um daqueles meus devaneios, que eu imagino uma história inteira, desde o primeiro beijo até o casamento, só por causa de um ''bom dia'' que você me deu. A gente tinha se visto, sei lá, umas três vezes? É, por ai! Você havia sido simpático comigo apenas duas. Eu árida as três! Até que...

Alguma força maior quis que algo maior acontecesse, poderia ter sido uma balada como de costume de vários jovens, poderia ter sido um encontro premeditado, poderia ter sido até bem ou mal pensado, como preferirem... Só que, essa força maior permitiu que fosse um momento. Momento esse que nunca iremos esquecer. Momento um de cada vez, momento que foi mais intenso que muitos namoros de anos por ai, momento que por diversos momentos eu imaginei te conhecer por uma vida inteira. Momento que não volta. Nunca mais.

Três horas vivendo você. Três horas sentindo você. Três horas sendo inconsequente e me deixando levar por seus olhos. Nos parecíamos em muita coisa, tínhamos um passado traçado por pessoas bem iguais, um presente contínuo, mas daqueles bem imprevisíveis e um futuro de probabilidades de reencontro (?). A possibilidade de ter você de novo seria nenhuma, ou melhor, eu pensei sim nessa ideia, afinal, eu não tirei você da cabeça por uns longos quatro dias.

Eu sei que esse texto parece mais um daqueles títulos de querido diário, e na verdade é! Você nunca vai ler, eu só vou lembrar de você de novo quando lê-lo novamente, e a brincadeira de amor, a gente deixa só para os coraçõeszinhos que já são auto-desenhados na minha agenda. 

Obrigada por ter sido um passageiro sem muitas bagagens, sem muitas neuras, sem protocolos a seguir. Obrigada por ter feito eu me sentir uma garota de filme produzido em Las Vegas. E principalmente, obrigada por não ter deixado marcas. Você foi leve. Você foi bom. Você foi.



Nenhum comentário:

Postar um comentário